Aconteceu no último sábado, 21 de abril, o I Encontro Arquidiocesano de Formação e Animação Missionária, realizado pelo Conselho Missionário Diocesano (COMIDI), na Comunidade Santa Maria Madalena Postel. O encontro deu início à preparação das pastorais, movimentos, organismos e Comunidades de Vida para o Ano Missionário, a ser vivido na Arquidiocese em 2019.

O Encontro contou com formação ministrada pelo coordenador do Conselho Missionário Regional (COMIRE - Norte 3), padre Raimundo Araújo, da Diocese de Miracema do Tocanitns, com o objetivo de animar e potencializar a missão na Arquidiocese de Palmas. Ele fala sobre o foco da formação.

“Temos como objetivo principal motivar as pessoas para darem respostas concretas ao convite que o Papa Francisco está fazendo, que é uma Igreja em saída, evangelizar. Para isso, é preciso, então, animar as pessoas. Tem que sair das quatro paredes, ir visitar pessoas, conhecer as pessoas, levar Jesus Cristo, que caminha conosco. ‘Potencializar’ não é algo que vem de fora, já está conosco. É o Batismo. O Batismo é que nos dá essa força de sermos evangelizadores e, ao mesmo tempo, evangelizados. Potencializar é fazer com que cada um descubra e viva a missão que está dentro de si”.

O arcebispo metropolitano da Arquidiocese de Palmas, dom Pedro Brito, esteve presente e motivou os participantes com a leitura e meditação da Palavra de Deus e realizou uma dinâmica de reflexão e partilha sobre as forças, fraquezas, necessidades, potencialidades e possibilidades missionárias da Arquidiocese.

Dom Pedro fala sobre a frase que motivou sua dinâmica: “Tudo com missão, nada sem missão”, que é um trecho do Hino que ele compôs para o 4º Congresso Missionário Nacional de 2017.

“O canto termina dizendo: ‘tudo com missão, nada sem missão’. Porque a tendência da gente é separar as coisas: ‘eu vou fazer catequese’, não tem nada a ver com missão; ‘eu vou fazer a pastoral da Juventude’, não tem nada a ver com missão. Missionário é outra coisa. ‘Eu vou celebrar minha missa, fazer meus batizados, meus casamentos’, não tem nada a ver com missão. E essa frase quer desmistificar isso, tirar da cabeça das pessoas que se o que eu faço não for missão, para que serve para o Reino de Deus? O que essa ação, que a gente gasta tanto tempo e dinheiro, vai importar na construção do Reino de Deus? É por isso que a gente não deve fazer nada sem missão. E tudo o que nós fizermos na Igreja é uma missão; uma missão grande, missão pequena, mas é uma missão à serviço do Reino de Deus; estou à serviço de Deus, construindo a minha Igreja”.

Dom Pedro conta, ainda, sobre a providência e a confirmação de Deus quanto ao Ano Missionário em 2019, determinado no Plano de Evangelização da Arquidiocese.

“Deus é tão providente, que nós decidimos, há três anos atrás, que 2019 seria o ano missionário da diocese. Sabe o que aconteceu? O Papa proclamou o mês de outubro de 2019 como o mês missionário do mundo todo. Veja como nós tínhamos razão. Além de fazer uma coisa ‘missionariamente’ local, estamos ligados ao desejo do Papa de que o mês de outubro seja o mês missionário para todo mundo. É assim que a gente vai fazendo as coisas, antecipando os dons do Espírito Santo. Espero que as pessoas tenham colocado como uma força missionária os dons do Espírito Santo, a inspiração do Espírito Santo”.

O Ano da Missão faz parte das urgências, prioridades, eixo norteador e objetivos do Quadriênio 2016-2019 e tem o objetivo de despertar as comunidades da Arquidiocese de Palmas para o anúncio de Jesus Cristo, por meio do serviço, do testemunho e do diálogo, em estado permanente de missão, como expressão visível de uma Igreja convertida e em saída.

 

Por Camila Soares/Rádio Liberdade

Fotos: Camila Soares