O Conselho Episcopal Regional Norte 3 (CONSER) se reuniu de 20 a 22 de março, na Residência Episcopal de Palmas, com o objetivo de debater e planejar ações, e de tratar dos desafios e das dificuldades existentes nas cinco Dioceses do Tocantins. O encontro é o primeiro dos quatro realizados anualmente.

Estavam presentes na reunião o anfitrião dom Pedro Brito, arcebispo metropolitano de Palmas, dom Giovane Melo, bispo da Diocese de Tocantinópolis, dom Wellington de Queiroz, da Prelazia de Cristalândia, e dom Romualdo Kujawski, da Diocese de Porto Nacional. Dom Phillip Dickmans, bispo da Diocese de Miracema, não pôde participar por motivo de agenda fora do país.

O arcebispo dom Pedro explicou sobre a composição dos Regionais da CNBB e falou sobre os assuntos da reunião.

“As cinco dioceses do Tocantins formam o Regional Norte 3. Todos os estados do Brasil estão agrupados em dezoito Regionais. E os Regionais se reúnem frequentemente; nós temos quatro reuniões anuais. Estamos realizando a primeira reunião deste ano do Regional Norte 3 para tratar de temas especificamente internos da Igreja; a formação, por exemplo, dos seminaristas é um tema interno; as coletas; ouvir as pastorais, os organismos. Além dessa pauta externa, nós temos a pauta interna, assuntos nossos que a gente reserva para nós. Assuntos de administração, problemas com os padres, com os leigos, de economia, de disciplina, de sacramentos”.

Algumas das pautas tratadas na reunião do Conselho foram: integração das dioceses de São Félix do Araguaia e Conceição do Araguaia ao Regional Norte 3; encontro com formadores do Seminário Interdiocesano do Divino Espírito Santo para apresentação de demandas da Instituição; mapeamento das condições de atuação das igrejas da Amazônia, realizado pela Rede Eclesial Pan-Amazônica (Repam); implantação do projeto “Nos Caminhos das Águas”, da Instituição Caritas, em Palmas, Miracema e Tocantinópolis; e apoio aos refugiados da Venezuela, imigrados para Roraima;

O Conselho Indigenista Missionário (CIMI), organismo vinculado à CNBB, se fez presente e apresentou também a necessidade de preservação das nascentes do Ribeirão Taquaruçu Grande. Membra da coordenação regional do CIMI, Sara Sanchez, fala sobre a importância do apoio dos bispos nas questões indígenas e ambientais em defesa da vida.

“Para nós, do CIMI, essa relação de apoio, solidariedade, compromisso da CNBB Norte 3 com o trabalho do CIMI é muito importante, porque o trabalho do CIMI é a defesa dos direitos dos povos indígenas. Então, nesse sentido, a voz, a atuação, a posição da Igreja em relação às questões indígenas é muito importante. Porque, também desse ponto de vista cristão, defendemos a vida, a vida em todas as dimensões. E no caso de Taquaruçu Grande, é a voz da Igreja denunciando também essa violência contra a natureza. O Papa Francisco com a encíclica Laudato Si, fala da casa comum. Então, todos estamos interligados, comprometidos com a defesa da casa comum”.

A próxima reunião do Conselho Episcopal Regional Norte 3 acontecerá durante a Assembleia Geral dos Bispos, de 11 a 20 de abril, em Aparecida, São Paulo.

Por Camila Soares
Fotos: Camila Soares